expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Seguidores

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

As Meninas Que Viam Fadas!

Eis uma história interessante: em Julho de 1917, duas meninas, chamadas Frances e Elsie, que viviam em Cottingley, Inglaterra, clamaram terem conseguido tirar fotografias de fadas verdadeiras, no jardim de casa. A princípio, o pai das meninas não quis acreditar, mas ao ver as fotografias, ficou impressionado. Até o famoso Arthur Conan Doyle, criador das histórias do não menos famoso Sherlock Holmes, acreditou piamente nestas meninas, divulgando as fotografias e confirmando que eram verdadeiras. 
As imagens das meninas de Cottingley correram o mundo e muitos crentes passaram a visitar a vila regurlamente, na esperança de conseguir ver as pequenas fadas. Desde essa altura se fizeram testes nas fotografias, de modo a verificar se eram realmente verdadeiras ou se se tratavam de imagens falsas, mas os resultados eram sempre inconclusivos. Além disso, as meninas Frances e Elsie, que entretanto cresceram, mas continuaram a aparecer em várias fotografias, na companhia das suas fadas amigas, sempre confirmaram a veracidade das suas histórias, inclusive em cartas que escreviam às amigas. Portanto, aqui estava uma descoberta fantástica. As fadas existiam e deixavam-se fotografar pelas meninas de Cottingley! 


Quando as primeiras revistas da altura começaram a divulgar esta história, rapidamente esgotaram nas bancas, e embora a maior parte das pessoas elogiasse Arthur Conan Doyle por esta descoberta, alguns ridicularizaram-no e chegaram a questionar a sua sanidade mental. 


No entanto, o público em geral pedia para ver mais fotografias e Conan Doyle respondeu aos pedidos. Durante anos foram aparecendo várias fotografias das moças de Cottingley com as fadas. Mas tempos mais tarde, quando outros fotógrafos chegaram à vila inglesa, tentando dismistificar as notícias, provou-se que as imagens tiradas pelas raparigas eram falsas e que, de facto, as fadas não existiam. Porém, apesar de Frances e Elsie terem admitido que as fotografias tinham sido falsificadas, sempre disseram, até falecerem, que as viam e conversavam com elas. 


A reputação de Conan Doyle ficou manchada até ao dia da sua morte, mas ele nunca, nunca deixou de acreditar nas fadas!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Fenômenos Misteriosos


A ciência tem permitido curar doenças, explicar muitas coisas sobre o mundo, a vida e os seres humanos. Mas, a ciência não pode explicar tudo que nos rodeia. Os cientistas nunca poderão saber exatamente como começou o universo ou ajudar a resolver questões da fé. Assim como em questões do mundo paranormal. Ainda que a ciência possa explicar muitos fenômenos estranhos, alguns mistérios continuam sem solução. Talvez, alguns destes fenômenos serão um dia plenamente compreendidos, assim como muitas coisas que há poucos séculos eram completamente desconhecidas e inexplicáveis (como causas de doenças) e agora são de conhecimento público.
1-AConexãoCorpo/Mente
Segundo Chaplin, a mente pode ser entendida como  os processos de percepção, pensamento, recordação e comportamento inteligente. A ciência médica está apenas começando a compreender como a mente afeta o corpo. O efeito placebo, por exemplo, revela que às vezes as pessoas podem sentir alívio dos sintomas de doenças tomando uma pseudo-medicação ou seguindo uma terapia, pois só de pensar que lhes tenham sido prescritos algo já se gera efeitos ao corpo. A capacidade do corpo de se curar é muito mais surpreendente do que qualquer coisa que a medicina moderna pode criar.
Além disso, há entre o corpo e a mente elementos que até hoje não foram desvendados, por exemplo, será que sua consciência é verdadeira? Ou tudo mora na glândula pineal deonde vem todos nossos anseios? Se as coisas estão onde os seus efeitos se originam. Logo, o pensamento vem do cérebro, que é a origem do comportamento. CONTRADIÇÃO? Se a mente fosse completamente externa ao corpo físico, seria difícil entender como seus atributos se associam com propriedades do cérebro físico; Devemos buscar respostas mais profundas nas estruturas materiais físicas e reais que constituem o cérebro.
2-Poderespsíquicoseapercepçãoextra-sensorial
Os poderes psíquicos e de percepção extra-sensorial estão entre os dez maiores fenômenos inexplicáveis desta lista simplesmente porque que os cientistas não têm sido capazes de explicar porque é que há pessoas que dizem “sim” e levá-las realmente tê-las. Há pesquisadores tentando provar que há pessoas que afirmam ter poderes psíquicos, embora os resultados científicos em condições controladas até agora têm sido negativos ou ambíguos. Alguns argumentam que os poderes psíquicos não podem ser testados ao menos que sejam na presença de pessoas céticas. Se assim for, será muito difícil para a ciência para ser capaz de provar ou refutar a existência de poderes psíquicos.
3-Experiênciaspróximasdamorteouavidadepoisdamorte
Algumas pessoas que chegaram perto da morte, por vezes, relatam experiências místicas diversas (como entrar num túnel e caminhar até uma luz, reunir-se com seus entes queridos, um sentimento de paz, etc) que pode sugerir uma existência mais além do túmulo. Embora estas experiências sejam profundas, não retorna como uma prova ou informação verificável “para além do túmulo.”  Os céticos sugerem que as experiências são explicáveis como uma natural e previsível alucinação de um cérebro traumatizado por aquilo que aconteceu, mas não há nenhuma maneira de saber ao certo se isso realmente acontecer perto de ser a morte ou se são realmente visões do “outro lado”.

4-Dejavu
Deja vu é uma expressão francesa que significa “já visto”, referindo-se à intrigante e misteriosa sensação de ter experimentado um conjunto específico de circunstâncias de que já foi se vivenciou aquilo antes. Uma pessoa pode entrar um edifício, por exemplo, em um país estrangeiro que não tinha visitado antes e preocupantemente sentir uma sensação de familiaridade. Alguns atribuem o Deja Vu psíquico a experiências de vidas anteriores, mas o fenômeno em si continua um mistério. Há uma vertente que diz que é possível que a sensação seja disparada por ação neuroquimica no cérebro não estando ligada a nenhuma experiência do passado. Sente-se estranho e associa a sensação com já ter experimentado isso antes, mesmo se a experiência é completamente nova. Ou seja, déjà vu pode não envolver um falso reconhecimento de algo que já se viu antes. A sensação de déjà vu é comum entre pacientes psiquiátricos. Também precede ataques de epilepsia do lóbulo temporal. E, em 1955, quando Wilder Penfield fez a sua famosa experiência na qual estimulava eletricamente lóbulos temporais, encontrou um bom numero de experiências de déjà vu.
5-Fantasmas
A aparição de fantasmas faz parte da nossa cultura e folclore de muitos séculos. Muitas pessoas têm relatado aparições vendo estranhas sombras ou seus entes queridos já mortos. Embora a definitiva prova da existência de fantasmas permaneça evasiva, ainda há testemunhas que relataram vendo, fotografando, e até mesmo comunicando-se com os fantasmas. Alguns estudiosos têm a esperança de que um dia poderão provar que os mortos podem entrar em contato vida e de fornecer uma resposta definitiva para o mistério.

6-Intuição
Há quem a chama do “sexto sentido”, mas em alguma ocasião todos já experimentaram a intuição em um momento ou outro. Este conceito de “intuição” é, convencionalmente erróneo. Alguns psicólogos optam afirmar que no subconscientemente há informações ocultas sobre o mundo que nos rodeia, nos conduzindo, aparentemente, a determinadas informações que sequer sabemos exatamente o que é. Mas, o porquê de uma pessoa ser capaz de ter uma intuição que se cumpre é um grande mistério que ainda não foi resolvido.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Os Maias nunca disseram que haveria uma grande tragédia ou o fim do mundo em 2012

Vários cientistas de todo o mundo reuniram-se em Palenque, no Estado de Chiapas, no sul do México, local arqueológico maia, para discutir a profecia daquela antiga civilização, que previa o fim do mundo em 2012.
Segundo os especialistas, a teoria teve origem no monumento número seis do local arqueológico de Tortuguero e num ladrilho com hieróglifos localizado em Comalcalco, ambos localizados em Tabasco, no sudoeste do país.
O monumento número seis, noticia a «BBC», faz alusão a um evento místico que ocorrerá a 21 de Dezembro de 2012, durante o solstício de Inverno, quando «Bahlam Ajaw», um antigo governante daquele lugar, se encontra com «Bolon Yokte», um deus na mitologia maia.
Todas as mensagens maias gravadas em «estelas» (monumentos líticos feitos num único bloco de pedra) foram interpretadas, até agora, como uma profecia sobre o fim do mundo.
No entanto, de acordo com o Instituto Nacional de Antropologia e História («Inah»), na data anunciada, os maias esperavam simplesmente o regresso de «Bolon Yokte¿».
«(Os maias) nunca disseram que haveria uma grande tragédia ou o fim do mundo em 2012», afirmou o pesquisador Rodrigo Liendo, do Instituto de Pesquisas Antropológicas da Universidade Autónoma do México, acrescentando que «essa visão apocalíptica» é algo que caracteriza os ocidentais. «Não é uma filosofia dos maias.»
Durante o encontro, o investigador Sven Gronemeyer, da Universidade australiana de Trobe, e a sua colega Bárbara Macleod, fizeram uma nova interpretação do 6º monumento de Tortuguero.
Assim sendo, os hieróglifos inscritos na «estela» referem-se à culminação dos 13 «baktunes», os ciclos com que os maias mediam o tempo. Cada um deles era composto por 400 anos.
«A medição do tempo dos maias era muito completa», explicou Gronemeyer. «Eles faziam referência a eventos no futuro e no passado, e há datas que são projectadas para centenas, milhares de anos no futuro».
Já para a jornalista Laura Castellanos, autora do livro «2012, Las Profecias del Fin del Mundo», o sucesso da teoria dos maias junto à cultura ocidental deve-se a uma «onda milenarista», que «antecipa catástrofes ou outros acontecimentos cada vez que se completam dez séculos».
Para Castellanos, as profecias sobre o fim do mundo em 2012 não têm apenas uma «vertente catastrófica», mas também uma linha que «antevê o despertar da consciência e o renascimento de uma nova humanidade, mais equitativa».
A explicação científica e histórica desta teoria vai também de encontro com a crença popular no México.
A população mais crente tem procurado adquirir conhecimentos necessários de como sobreviver com o seu próprio cultivo de alimentos em caso de catástrofe mundial.
A verdade é que o «fim do mundo» é motivo de negócio. O Governo mexicano lançou uma campanha para promover o turismo no sudoeste do país, onde estão os monumentos arqueológicos maias.

Ciencia

Ciencia