Halloween: Cristãos se dividem entre condenar a festa e usá-la para fins evangelísticos

Halloween: Cristãos se dividem entre condenar a festa e usá-la para fins evangelísticosMais de cem anos atrás, o famoso teólogo holandês Herman Bavinck previu que o século 20 iria “testemunhar um conflito gigantesco dos espíritos.” Sua previsão acabou se estendendo até o século 21.
O Halloween ou Dia das Bruxas é uma antiga tradição dos povos que habitavam as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C. Originalmente, tratava-se de um festival do calendário celta, chamado de Samhain, (literalmente “fim do verão”) cujo objetivo era o culto aos mortos. Acreditava-se que durante vários dias se abria uma espécie de “portal” para o outro mundo e por ele entravam os espíritos para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares. Para que identificassem as casas, eram deixados em uma mesa os seus pratos prediletos.
No ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a comemoração do Dia de Todos os Santos, em 1 de novembro fosse celebrada com uma vigília no dia anterior (31 de outubro). Essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), que acabou se tornando a palavra atual “Halloween”.  Ou seja, os mortos lembrados eram os santos cultuados pela Igreja Católica. Além disso, em alguns países o dia 2 de novembro passou a ser Dia de Finados, para lembrar dos mortos “comuns”.
Popularizada pelos Estados Unidos, a celebração do Halloween ficou marcada pelo hábito das pessoas vestirem-se com fantasias assustadoras e distribuíram doces (que substituem os alimentos oferecidos aos mortos). Em países como o México existe uma celebração muito parecida chamada de “dia de los muertos”, comemorado na mesma data. Nas últimas décadas passou a ser lembrada em vários países, inclusive o Brasil, que “importaram” dos americanos.
O historiador David J. Skal explica que o conceito moderno de Halloween é inseparável da imagem vendida pela televisão e pelos filmes de Hollywood. “No Halloween, tudo vira de cabeça para baixo. A identidade pode ser descartada. Os vivos viram mortos e vice-versa. As sepulturas são abertas e nosso mundo é invadido pelo sobrenatural”.
Durante séculos os cristãos combateram esse tipo de celebração nos países de colonização inglesa, acusando-a de ser “demoníaca”, pois fazia invocações de seres sobrenaturais, inclusive a imagem do diabo.
Ensinada nas escolas como parte do folclore, muitos pais cristãos optavam por proibir os filhos de participarem. Mas como o passar do tempo, foi sendo “absorvido” pela cultura e passou a ser, inclusive, celebrada em igrejas, com uma roupagem cristã e até evangelística.
O historiador Nicholas Rogers explica que o Halloween já é a segunda festa mais importante do ponto de vista comercial, na América do Norte. Perdendo apenas para o Natal, movimenta anualmente cerca de US$ 8 bilhões. “Independentemente de suas complicações espirituais, Halloween é um grande negócio”, resume.
Professor na Universidade de York, no Canadá, Rogers escreveu um livro sobre o assunto, explicando como o Halloween invoca o bizarro, o desconhecido e atrai as trevas. Originalmente, o Samhain marcava um solstício no final do verão, quando o dia era mais curto e, consequentemente, a noite (trevas) mais longa. Entre os celtas ocorriam os sabás, reuniões de bruxas que faziam sacrifícios humanos e de animais, sem dúvida, apontando para o inverno como uma época de morte.
Harold L. Myra, escreveu um longo artigo na revista evangélica Christianity Today alertando que essas raízes pagãs não podem ser ignoradas pelos cristãos: “Para os antigos celtas, Samhain, o senhor da morte, enviava espíritos malignos para o mundo dos humanos. Com isso, gerava uma perigosa tentativa de se contatar o sobrenatural, o mundo espiritual e apaziguá-lo. O Halloween tornou uma época de fascínio cultural com o mal e o demoníaco”.
Nos últimos 20 anos, algumas igrejas decidiram organizar festivais alternativos, aproveitando a oportunidade do feriado para falar sobre o mundo espiritual da perspectiva bíblica. O pastor Anderson M. Rearick, sempre defendeu que os cristãos não devem fugir do assunto. “Não podemos simplesmente entregar esse dia nas mãos do Diabo, o Grande Impostor, o Chefe dos mentirosos. Nenhum dia pertence a ele. Todos pertencem ao Senhor”.
Ele lembra as palavras de Martinho Lutero, o grande reformador: “A melhor maneira de expulsar o diabo, é lembrar os textos das Escrituras, é zombar e desprezá-lo por que ele não suporta ser lembrado de sua derrota”.
Desde 1996, Keenan Roberts, pastor da Igreja New Destiny Christian Center, no Estado do Colorado, popularizou a ideia de “Hell Houses” [Casas do Inferno]. A ideia é que as pessoas entrem no templo ou em uma casa alugada especialmente preparada durante a época de Halloween.
“Se é para ter medo, então que seja produtivo”, explica o pastor Roberts, que criou essa espécie de “casa mal-assombrada” onde ficam atores cristãos e tem como objetivo mostrar às pessoas que Jesus venceu o mal na cruz.
Tradicionalmente, as pessoas estão mais preparadas para sentir medo nesse período. Com isso, é possível mostrar a realidade do céu e do inferno através de uma peça de teatro interativa. As pessoas entram no ambiente esperando encontrar vampiros, bruxas, fantasmas e lobisomens. Mas o que veem são cenas de um suicídio, depois passa para um ambiente onde vê pessoas de prostituindo, na outra sala testemunha um acidente de trânsito com um motorista bêbado, um outro espaço mostra um adolescente que toma uma overdose de drogas e morre, em outra sala uma jovem é submetida a um aborto, por fim há uma cena de casamento gay.
O tempo todo quem apresenta as situações é um ator que serve de “demônio-guia”. Ao final de cada ato ele diz ao público: “É apenas mais um dia de trabalho rotineiro para mim!”. A casa infernal original tinha sete ambientes e cada um deles representa um “pecado” de forma diferente.
Os tópicos variam ligeiramente de ano para ano, mas sempre se concentram em mostrar algo que envolva sangue, morte e as consequências de quem morrer longe de Deus. O método é eficaz, segundo Roberts. Quando os visitantes chegam à cena final, a sala que representa o “céu”, é feito um apelo para que a pessoa mude de vida e conheça a Deus através de Jesus. Segundo o pastor, “um em cada quatro visitantes optam pela fé cristã ou renovam seu compromisso com ela”. Com informações PS Mag e Albert Mohler.

Comentários

Mensagens populares