Governo dos EUA exige maior liberdade religiosa no mundo

Governo dos EUA exige maior liberdade religiosa no mundoNa terça-feira (27) foi o Dia Internacional da Liberdade de Religião. O Secretário de Estado John Kerry manifestou publicamente a posição dos Estados Unidos sobre o tema. Ele afirmou que os governos precisam se manifestar de maneira mais contundente contra a perseguição religiosa.
A declaração vem em meio a uma crise. O último embaixador dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional, Suzan Johnson Cook, demitiu-se no início deste mês, alegando dificuldades em realizar o seu trabalho.
Os próprios Estados Unidos vêm enfrentando uma série de críticas da imprensa por apoiarem governos, como o do Paquistão e do Egito, que promovem a perseguição, além de dar armas para rebeldes da Síria que promovem o massacre de minorias religiosas.
Mesmo assim, Kerry defendeu que a liberdade religiosa é uma prioridade, “pois é essencial para a dignidade humana e a liberdade individual, sendo consagrada na Declaração Universal dos Direitos Humanos”.
“A liberdade de religião é uma prioridade para o presidente Obama, assim como é para mim como secretário de Estado, porque é essencial à dignidade humana e à liberdade individual, e permanece parte integral de nosso engajamento diplomático global. Convocamos a comunidade internacional – governos, sociedade civil e cidadãos afins – a se expressar contra a perseguição religiosa e defender de maneira inequívoca a liberdade de religião… Acreditamos tão profundamente que os governos em todos os lugares devem cumprir sua responsabilidade de proteger a liberdade de religião igualmente para todos e garantir que os que reivindicam religião como justificativa para atos criminosos não sairão impunes”, discursou.
Em maio, Kerry já havia falado sobre o assunto, dizendo que “ao viajar pelo mundo, pressiono líderes a fazer mais para salvaguardar a liberdade de crença e para promover a tolerância religiosa. E é por isso que insto todos os países a agir para salvaguardar essa liberdade fundamental”.
Para os analistas, as declarações do secretário de Estado podem auxiliar os esforções de vários grupos, sobretudo os cristãos, que lutam pela liberdade religiosa em todo o mundo. Dada a influência dos Estados Unidos sobre muitas questões mundiais, a declaração foi vista como de suma importância neste momento. Com informações CBN.

Comentários

Mensagens populares