Originalidade do papiro do “Evangelho da esposa de Jesus” é colocada em cheque por incoerências e erros de escrita

Originalidade do papiro do “Evangelho da esposa de Jesus” é colocada em cheque por incoerências e erros de escritaNovas análises colocaram a autenticidade do “Evangelho da Esposa de Jesus” em cheque após dúvidas não respondidas sobre a origem do papiro.
O suposto evangelho, escrito na antiga língua egípcia copta, ganhou as manchetes em 2012 quando a professora Karen King, da Universidade de Harvard, anunciou sua descoberta. O fragmento do papiro contém uma linha que foi traduzida como “Jesus disse-lhes: ‘Minha esposa …’ “, e também se refere a uma “Maria “, possivelmente Maria Madalena.
No começo de abril deste ano, análises do material teriam confirmado que o papiro não havia sido forjado, e portanto, seria um documento original e de valor histórico.
Se confirmado como autêntico, o papiro sugeriria que algumas pessoas acreditavam em tempos antigos de que Jesus e Maria Madalena eram casados. Na época do descobrimento, o papiro foi provisoriamente datado do século IV depois de Cristo, e foi referido como uma cópia de um evangelho escrito no século II em grego.
Segundo o Huffington Post, recentemente foram realizados vários testes científicos, publicados na revista Harvard Theological Review, que sugeriam que o papiro era autêntico. No entanto, um grande número de estudiosos, incluindo o professor Leo Depuyt, da Universidade de Brown.
Um dos principais pontos obscuros sobre o assunto é que a professora Karen King se recusou a revelar a identidade do proprietário do papiro, que o entregou sob condição de anonimato. Recentemente, ela publicou um artigo no Harvard Theological Review, reproduzindo um contrato King assinado pelo proprietário anônimo atual, o que indica que o papiro havia sido comprado em novembro de 1999 de um proprietário anterior, identificado como Hans-Ulrich Laukamp, e que Laukamp o havia adquirido em 1963 em Potsdam, na Alemanha Oriental.
No entanto, a revista Live Science realizou uma busca de informações sobre o suposto antigo proprietário do papiro, e descobriu que Laukamp não coletava antiguidades, e que em 1963, ele vivia na porção ocidental de Berlim, o que impediria ele de ter pulado o muro que dividia as duas Alemanhas para comprar a relíquia.
Outros pontos suspeitos sobre o papiro apontados pelo professor Leo Depuyt são os erros gramaticais do texto escrito em copta. Segundo ele, é difícil acreditar quem um escriba antigo poderia cometer erros tão graves.

Comentários

Mensagens populares