Cientistas brasileiros desafiam Darwin

Academicos começam a defender nas universidades o “design inteligente”
Cientistas brasileiros desafiam DarwinCientistas brasileiros desafiam Darwin
A maior parte da comunidade científica acredita e defende a teoria da evolução, proposta por Charles Darwin (1809–1882). Biólogo e naturalista inglês, ele questionou a opinião vigente em seu tempo que considerava apenas a possibilidade da criação da vida por Deus.
Surgida como uma espécie de meio termo, que une fé e ciência, a Teoria do Design Inteligente (TDI) surgiu nos EUA na década de 1980 e ganhou adeptos em todo o mundo. No Brasil, um grupo de cientistas renomados passou a defendê-la com mais intensidade nos últimos tempos. Para eles, a vida não surgiu após uma série de eventos aleatórios, mas é resultado do projeto de uma mente inteligente.
Marcos Eberlin, professor do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), explica: “Conhecimentos científicos em bioquímica e biologia molecular cada vez mais apurados nos permitiram abrir a caixa preta chamada célula e enxergar nela um conjunto imenso de máquinas moleculares dotado de uma complexidade irredutível… Não dá para pensar num motor desse tipo produzido por forças naturais. Foi decisão de uma inteligência que existe no universo.””.
Enquanto nos EUA a TDI é defendida por cerca de três mil adeptos, incluindo químicos, bioquímicos, biólogos e físicos, somente este ano foi realizada no Brasil o 1º Congresso Brasileiro sobre o tema. A Sociedade Brasileira do Design Inteligente iniciou oficialmente suas atividades no mês passado.
Até o momento, seu principal porta-voz é o professor Eberlin, autor de centenas de artigos científicos, membro da Academia Brasileira de Ciências e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico.
O congresso realizado em Campinas, SP, contou com a presença do filósofo com especialização em biologia evolucionária Paul Nelson. A Sociedade Brasileira do Design Inteligente comemora o fato de ter agora 300 membros, incluindo alguns ex-darwinistas.
O grupo é marcado pela diversidade, reunindo cientistas católicos, evangélicos, espíritas e até agnósticos. “Seremos 500 até o final do ano, mil até o ano que vem e cinco mil em cinco anos”, afirma Eberlin. “Não somos inimigos de Darwin, mas amigos da ciência. Queremos restabelecer a verdade científica”, esclarece.
Evangélico e membro de uma igreja batista, o professor esclarece: “Cientificamente, eu sei quais são os meus limites, sei que nunca será possível demonstrar que inteligência seria essa. Tem gente que vai dizer que é o Deus bíblico… ou que é uma força que permeia o universo. Mas mostrar que houve uma ação inteligente é uma proposta científica valida”. Com informações de Darwin e Deus e Isto É

Comentários

Mensagens populares