expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Seguidores

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Conheça a história de igrejas conhecidas por serem “mal-assombradas”

Dia das Bruxas: Conheça a história de igrejas conhecidas por serem “mal-assombradas”Com a proximidade do dia das bruxas, data marcada por seu misticismo e suposta relação com o sobrenatural, surgem diversas histórias sobre locais mal assombrados e envolvendo supostos fantasmas e outras coisas similares. Entre estes, estão algumas igrejas nas quais muitos afirmam que os espíritos dos mortos ainda vagam em torno de seus corredores e cemitérios.
Luzes misteriosas, vozes abafadas, e aparições estranhas são apenas alguns dos muitos fenômenos inexplicáveis que perduram em torno desses lugares. Desde o fantasma de um capitão de mar morto há muito tempo na Flórida, até o fantasma de uma governanta que morreu em um incêndio em casa, pessoas juram que essas igrejas são assombradas por espíritos que se recusam a sair.
Confira a história de algum desses lugares, compiladas pelo Huffington Post:
Capela de St. Paul, New York, NY
Simran Jeet Singh of the Sikh Coalition
Alguns dizem que o cemitério dessa igreja é assombrado pelo fantasma sem cabeça de um ator, que doou sua cabeça para a ciência. A proximidade da igreja com a Broadway pode ser uma das razões por trás desse rumor. Segundo a lenda, ele vaga pela terra em busca de seu crânio perdido.
Catedral Nacional de Washington, Washington, DC
Woodrow Wilson [Misc.]
A história por trás desse lugar diz que a deslumbrante catedral é a casa dos fantasmas de um presidente e de um funcionário da igreja. Os visitantes dizem que Woodrow Wilson, o único presidente enterrado lá, anda pelos corredores à noite, e que eles podem ouvir o suave “tap, tap” de sua bengala. Outra razão para a suposta atividade paranormal seria um assassinato ocorrido na biblioteca em 1946. Pessoas relataram sentirem mal-estar, bem como a sensação de estar sendo observado pelos cantos do seu porão.
Igreja Episcopal Aquia, Stafford, VA
igreja-assombrada-03
Construída antes da Guerra Civil, esta igreja é supostamente visitada pelo fantasma de um soldado morto durante o conflito. A parte mais assombrado do edifício é a torre da igreja. Outros afirmam que a razão para a assombração é um jovem que foi assassinado lá. As luzes estranhas e sons inexplicáveis fazem com que muitos fiquem longe do lugar depois do anoitecer.
Veja fotos de outras igrejas supostamente assombradas:
Catedral Basílica, St. Louis, MO
igreja-assombrada-04
Igreja Episcopal de St. Paul, Key West, FL
igreja-assombrada-05
Igreja de St. Andrew’s, Staten Island, NY
igreja-assombrada-06

Cristãos se unem e erguem estátua de Jesus na Síria para simbolizar a busca pela paz na região

Cristãos se unem e erguem estátua de Jesus na Síria para simbolizar a busca pela paz na regiãoCristãos de diversos países e doutrinas se uniram para viabilizar a construção e instalação de um monumento alusivo a Jesus na Síria, país que vive guerra civil há anos e com forte histórico de perseguição a cristãos.
A estátua, denominada “Eu Vim Salvar o Mundo”, possui 39 metros e foi erguida sob o argumento de servir como um monumento simbólico da busca pela paz no país.
Encomendada por Yuri Gavrilov, um russo que dirige a organização beneficente St Paul & St George Foundation, em Londres, a escultura foi feita pelo artista armênio Artush Papoian, com apoio da Igreja Ortodoxa Russa, padres sírios e teólogos de um seminário russo.
“Após essa ideia surgir em 2005, ela foi abençoada pelo patriarca Inácio IV de Antioquia e do Oriente Médio, que foi o autor dessa proposta. Na estátua, Jesus Cristo está oferecendo suas bênçãos e está pisando em cima de uma cobra, que é o símbolo do mal. Há Adão em seu lado direito e Eva ao seu lado esquerdo. O Patriarca de Antioquia escolheu a Montanha dos Querubins para instalá-la, pois anjos querubins são um símbolo retirado do Antigo Testamento, usado pelos cristãos e aceito pelos fiéis do Islã”, explicou Shakib Samir El-Gabban, diretor da St Paul & St George Foundation, segundo informações da BBC de Londres.
O esforço para que a estátua pudesse ser instalada no local escolhido envolveu, segundo Shakib, a abertura de diálogo com os guerrilheiros sírios, que controlam parte das estradas que dão acesso ao monte escolhido para o monumento: “Algumas das estradas eram controladas pelos rebeldes e alguns membros do exército sírio. Assim, foi necessário chegar a acordo com os dois lados de modo que passou a ser possível trazer o equipamento para o topo da montanha, o que finalmente foi feito. Houve um cessar-fogo, sem tiros dentro do prazo de três dias”, ressaltou o diretor, comemorando o resultado.
A imprensa internacional ressalta que, com 39 metros de altura, a estátua instalada na Síria é apenas um metro menor que o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Veja fotos abaixo:
estatua de jesus siria

Questionamento do poder papal dividiu a Igreja e mudou a História

Questionamento do poder papal dividiu a Igreja e mudou a HistóriaNo dia 31 de outubro de 1517, véspera do Dia de Todos os Santos, o monge agostiniano Martinho Lutero aproveitou a grande procura das pessoas pelas missas comemorativas e divulgou sua proposta de reforma da Igreja Católica.
Ele literalmente pregou nas portas da Igreja do Castelo, em Wittenberg sua 95 teses, questionando as práticas do papado, sua doutrina e a venda de indulgências.   Como a igreja ficava na rua principal de Wittenberg, suas portas funcionava como uma espécie de quadro de avisos públicos.
Com esse gesto de questionar publicamente o papa, Lutero deu início a uma batalha teológica que posteriormente se tornaria uma guerra religiosa que dividiria países e mudaria para sempre a história.  
O principal argumento de Lutero era o ensinamento das Escrituras que “o justo viverá pela fé”. Estabeleceu então a doutrina da “justificação pela fé”, ou seja, a justificação do pecador diante de Deus não vem pelo esforço pessoal, mas trata-se de algo recebido por todos que creram na obra de Cristo na cruz.
Como o nome indica, a Reforma desejava mudar a Igreja, não dividi-la. Contudo, os argumentos de Lutero e seus aliados atingia o centro do poder: o Vaticano.  Entre suas críticas, Lutero negava a infabilidade papal, sua autoridade para tirar almas do Purgatório, negava que o pontífice possuía as chaves do céu. Queria ainda que fosse abandonado o culto aos ídolos (santos).
Escreveu muitos tratados teológico, que foram impressos e distribuídos ao povo nos meses seguintes, acabaram se espalhando por toda a Europa. Ao mesmo tempo traduzia a Bíblia para a língua falada pelo povo, para que todos pudessem entender a mensagem divina, que só foi impressa em setembro de 1522.
Foi chamado ao Vaticano para se retratar perante o Papa. Ameaçado de morte, entrou abertamente em conflito com a Igreja Católica. Em 1520, referiu-se pela primeira vez ao Papa como “anticristo”. Ele e seus aliados foram excomungados pelo papa Leão X, através da bula papal Decet romanum pontificem, em  janeiro de 1521.  Alegava-se que ele incorria em “heresia notória”.
A maioria das igrejas evangélicas do Brasil não gosta de ser chamada de Protestante ou Reformada, termos comuns em outras partes do mundo. Com exceção das igrejas luteranas e de outras denominações mais tradicionais, o dia 31 de outubro sequer é lembrado ou mencionado.  Por outro lado, a festa do Halloween, também comemorada no dia 31 de outubro tem crescido em influência no país a cada ano.
Dentro de quatro anos, ocorrerão as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante. Na semana passada, representantes da Federação Luterana Mundial procuraram o papa Francisco e ouviram que “Católicos e luteranos podem pedir perdão pelo mal que causaram uns aos outros e pelas culpas cometidas diante de Deus, e invocar o dom da unidade. As dificuldades não faltam e não faltarão e serão necessários, paciência, diálogo, e compreensão recíproca”. Também foi publicado recentemente um texto da Comissão luterano-católica para a unidade, chamado “Do conflito à comunhão. A interpretação luterano-católica da Reforma em 2017”.    
Essas são as 95 teses que deram origem à Reforma:
1. Ao dizer: “Fazei penitência”, etc. [Mt 4.17], o nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fiéis fosse penitência.
2. Esta penitência não pode ser entendida como penitência sacramental (isto é, da confissão e satisfação celebrada pelo ministério dos sacerdotes).
3. No entanto, ela não se refere apenas a uma penitência interior; sim, a penitência interior seria nula se, externamente, não produzisse toda sorte de mortificação da carne.
4. Por consequência, a pena perdura enquanto persiste o ódio de si mesmo (isto é a verdadeira penitência interior), ou seja, até a entrada do reino dos céus.
5. O papa não quer nem pode dispensar de quaisquer penas senão daquelas que impôs por decisão própria ou dos cânones.
6. O papa não tem o poder de perdoar culpa a não ser declarando ou confirmando que ela foi perdoada por Deus; ou, certamente, perdoados os casos que lhe são reservados. Se ele deixasse de observar essas limitações, a culpa permaneceria.
7. Deus não perdoa a culpa de qualquer pessoa sem, ao mesmo tempo, sujeitá-la, em tudo humilhada, ao sacerdote, seu vigário.
8. Os cânones penitenciais são impostos apenas aos vivos; segundo os mesmos cânones, nada deve ser imposto aos moribundos.
9. Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.
10. Agem mal e sem conhecimento de causa aqueles sacerdotes que reservam aos moribundos penitências canônicas para o purgatório.
11. Essa cizânia de transformar a pena canônica em pena do purgatório parece ter sido semeada enquanto os bispos certamente dormiam.
12. Antigamente se impunham as penas canônicas não depois, mas antes da absolvição, como verificação da verdadeira contrição.
13. Através da morte, os moribundos pagam tudo e já estão mortos para as leis canônicas, tendo, por direito, isenção das mesmas.
14. Saúde ou amor imperfeito no moribundo necessariamente traz consigo grande temor, e tanto mais quanto menor for o amor.
15. Este temor e horror por si sós já bastam (para não falar de outras coisas) para produzir a pena do purgatório, uma vez que estão próximos do horror do desespero.
16. Inferno, purgatório e céu parecem diferir da mesma forma que o desespero, o semidesespero e a segurança.
17. Parece necessário, para as almas no purgatório, que o horror devesse diminuir à medida que o amor crescesse.
18. Parece não ter sido provado, nem por meio de argumentos racionais nem da Escritura, que elas se encontrem fora do estado de mérito ou de crescimento no amor.
19. Também parece não ter sido provado que as almas no purgatório estejam certas de sua bem-aventurança, ao menos não todas, mesmo que nós, de nossa parte, tenhamos plena certeza disso.
20. Portanto, por remissão plena de todas as penas, o papa não entende simplesmente todas, mas somente aquelas que ele mesmo impôs.
21. Erram, portanto, os pregadores de indulgências que afirmam que a pessoa é absolvida de toda pena e salva pelas indulgências do papa.
22. Com efeito, ele não dispensa as almas no purgatório de uma única pena que, segundo os cânones, elas deveriam ter pago nesta vida.
23. Se é que se pode dar algum perdão de todas as penas a alguém, ele, certamente, só é dado aos mais perfeitos, isto é, pouquíssimos.
24. Por isso, a maior parte do povo está sendo necessariamente ludibriada por essa magnífica e indistinta promessa de absolvição da pena.
25. O mesmo poder que o papa tem sobre o purgatório de modo geral, qualquer bispo e cura tem em sua diocese e paróquia em particular.
26. O papa faz muito bem ao dar remissão às almas não pelo poder das chaves (que ele não tem), mas por meio de intercessão.
27. Pregam doutrina mundana os que dizem que, tão logo tilintar a moeda lançada na caixa, a alma sairá voando [do purgatório para o céu].
28. Certo é que, ao tilintar a moeda na caixa, pode aumentar o lucro e a cobiça; a intercessão da Igreja, porém, depende apenas da vontade de Deus.
29. E quem é que sabe se todas as almas no purgatório querem ser resgatadas, como na história contada a respeito de São Severino e São Pascoal?
30. Ninguém tem certeza da veracidade de sua contrição, muito menos de haver conseguido plena remissão.
31. Tão raro como quem é penitente de verdade é quem adquire autenticamente as indulgências, ou seja, é raríssimo.
32. Serão condenados em eternidade, juntamente com seus mestres, aqueles que se julgam seguros de sua salvação através de carta de indulgência.
33. Deve-se ter muita cautela com aqueles que dizem serem as indulgências do papa aquela inestimável dádiva de Deus através da qual a pessoa é reconciliada com Ele.
34. Pois aquelas graças das indulgências se referem somente às penas de satisfação sacramental, determinadas por seres humanos.
35. Os que ensinam que a contrição não é necessária para obter redenção ou indulgência, estão pregando doutrinas incompatíveis com o cristão.
36. Qualquer cristão que está verdadeiramente contrito tem remissão plena tanto da pena como da culpa, que são suas dívidas, mesmo sem uma carta de indulgência.
37. Qualquer cristão verdadeiro, vivo ou morto, participa de todos os benefícios de Cristo e da Igreja, que são dons de Deus, mesmo sem carta de indulgência.
38. Contudo, o perdão distribuído pelo papa não deve ser desprezado, pois – como disse – é uma declaração da remissão divina.
39. Até mesmo para os mais doutos teólogos é dificílimo exaltar simultaneamente perante o povo a liberalidade de indulgências e a verdadeira contrição.
40. A verdadeira contrição procura e ama as penas, ao passo que a abundância das indulgências as afrouxa e faz odiá-las, ou pelo menos dá ocasião para tanto.
41. Deve-se pregar com muita cautela sobre as indulgências apostólicas, para que o povo não as julgue erroneamente como preferíveis às demais boas obras do amor.
42. Deve-se ensinar aos cristãos que não é pensamento do papa que a compra de indulgências possa, de alguma forma, ser comparada com as obras de misericórdia.
43. Deve-se ensinar aos cristãos que, dando ao pobre ou emprestando ao necessitado, procedem melhor do que se comprassem indulgências.
44. Ocorre que através da obra de amor cresce o amor e a pessoa se torna melhor, ao passo que com as indulgências ela não se torna melhor, mas apenas mais livre da pena.
45. Deve-se ensinar aos cristãos que quem vê um carente e o negligencia para gastar com indulgências obtém para si não as indulgências do papa, mas a ira de Deus.
46. Deve-se ensinar aos cristãos que, se não tiverem bens em abundância, devem conservar o que é necessário para sua casa e de forma alguma desperdiçar dinheiro com indulgência.
47. Deve-se ensinar aos cristãos que a compra de indulgências é livre e não constitui obrigação.
48. Deve ensinar-se aos cristãos que, ao conceder perdões, o papa tem mais desejo (assim como tem mais necessidade) de oração devota em seu favor do que do dinheiro que se está pronto a pagar.
49. Deve-se ensinar aos cristãos que as indulgências do papa são úteis se não depositam sua confiança nelas, porém, extremamente prejudiciais se perdem o temor de Deus por causa delas.
50. Deve-se ensinar aos cristãos que, se o papa soubesse das exações dos pregadores de indulgências, preferiria reduzir a cinzas a Basílica de S. Pedro a edificá-la com a pele, a carne e os ossos de suas ovelhas.
51. Deve-se ensinar aos cristãos que o papa estaria disposto – como é seu dever – a dar do seu dinheiro àqueles muitos de quem alguns pregadores de indulgências extorquem ardilosamente o dinheiro, mesmo que para isto fosse necessário vender a Basílica de S. Pedro.
52. Vã é a confiança na salvação por meio de cartas de indulgências, mesmo que o comissário ou até mesmo o próprio papa desse sua alma como garantia pelas mesmas.
53. São inimigos de Cristo e do Papa aqueles que, por causa da pregação de indulgências, fazem calar por inteiro a palavra de Deus nas demais igrejas.
54. Ofende-se a palavra de Deus quando, em um mesmo sermão, se dedica tanto ou mais tempo às indulgências do que a ela.
55. A atitude do Papa necessariamente é: se as indulgências (que são o menos importante) são celebradas com um toque de sino, uma procissão e uma cerimônia, o Evangelho (que é o mais importante) deve ser anunciado com uma centena de sinos, procissões e cerimônias.
56. Os tesouros da Igreja, a partir dos quais o papa concede as indulgências, não são suficientemente mencionados nem conhecidos entre o povo de Cristo.
57. É evidente que eles, certamente, não são de natureza temporal, visto que muitos pregadores não os distribuem tão facilmente, mas apenas os ajuntam.
58. Eles tampouco são os méritos de Cristo e dos santos, pois estes sempre operam, sem o papa, a graça do ser humano interior e a cruz, a morte e o inferno do ser humano exterior.
59. S. Lourenço disse que os pobres da Igreja são os tesouros da mesma, empregando, no entanto, a palavra como era usada em sua época.
60. É sem temeridade que dizemos que as chaves da Igreja, que foram proporcionadas pelo mérito de Cristo, constituem estes tesouros.
61. Pois está claro que, para a remissão das penas e dos casos especiais, o poder do papa por si só é suficiente.
62. O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus.
63. Mas este tesouro é certamente o mais odiado, pois faz com que os primeiros sejam os últimos.
64. Em contrapartida, o tesouro das indulgências é certamente o mais benquisto, pois faz dos últimos os primeiros.
65. Portanto, os tesouros do Evangelho são as redes com que outrora se pescavam homens possuidores de riquezas.
66. Os tesouros das indulgências, por sua vez, são as redes com que hoje se pesca a riqueza dos homens.
67. As indulgências apregoadas pelos seus vendedores como as maiores graças realmente podem ser entendidas como tais, na medida em que dão boa renda.
68. Entretanto, na verdade, elas são as graças mais ínfimas em comparação com a graça de Deus e a piedade da cruz.
69. Os bispos e curas têm a obrigação de admitir com toda a reverência os comissários de indulgências apostólicas.
70. Têm, porém, a obrigação ainda maior de observar com os dois olhos e atentar com ambos os ouvidos para que esses comissários não preguem os seus próprios sonhos em lugar do que lhes foi incumbidos pelo papa.
71. Seja excomungado e amaldiçoado quem falar contra a verdade das indulgências apostólicas.
72. Seja bendito, porém, quem ficar alerta contra a devassidão e licenciosidade das palavras de um pregador de indulgências.
73. Assim como o papa, com razão, fulmina aqueles que, de qualquer forma, procuram defraudar o comércio de indulgências,
74. muito mais deseja fulminar aqueles que, a pretexto das indulgências, procuram fraudar a santa caridade e verdade.
75. A opinião de que as indulgências papais são tão eficazes a ponto de poderem absolver um homem mesmo que tivesse violentado a mãe de Deus, caso isso fosse possível, é loucura.
76. Afirmamos, pelo contrário, que as indulgências papais não podem anular sequer o menor dos pecados venais no que se refere à sua culpa.
77. A afirmação de que nem mesmo São Pedro, caso fosse o papa atualmente, poderia conceder maiores graças é blasfêmia contra São Pedro e o Papa.
78. Dizemos contra isto que qualquer papa, mesmo São Pedro, tem maiores graças que essas, a saber, o Evangelho, as virtudes, as graças da administração (ou da cura), etc., como está escrito em I Coríntios XII.
79. É blasfêmia dizer que a cruz com as armas do papa, insigneamente erguida, eqüivale à cruz de Cristo.
80. Terão que prestar contas os bispos, curas e teólogos que permitem que semelhantes sermões sejam difundidos entre o povo.
81. Essa licenciosa pregação de indulgências faz com que não seja fácil nem para os homens doutos defender a dignidade do papa contra calúnias ou questões, sem dúvida argutas, dos leigos.
82. Por exemplo: Por que o papa não esvazia o purgatório por causa do santíssimo amor e da extrema necessidade das almas – o que seria a mais justa de todas as causas, se redime um número infinito de almas por causa do funestíssimo dinheiro para a construção da basílica – que é uma causa tão insignificante?
83. Do mesmo modo: Por que se mantêm as exéquias e os aniversários dos falecidos e por que ele não restitui ou permite que se recebam de volta as doações efetuadas em favor deles, visto que já não é justo orar pelos redimidos?
84. Do mesmo modo: Que nova piedade de Deus e do papa é essa que, por causa do dinheiro, permite ao ímpio e inimigo redimir uma alma piedosa e amiga de Deus, mas não a redime por causa da necessidade da mesma alma piedosa e dileta por amor gratuito?
85. Do mesmo modo: Por que os cânones penitenciais – de fato e por desuso já há muito revogados e mortos – ainda assim são redimidos com dinheiro, pela concessão de indulgências, como se ainda estivessem em pleno vigor?
86. Do mesmo modo: Por que o papa, cuja fortuna hoje é maior do que a dos ricos mais crassos, não constrói com seu próprio dinheiro ao menos esta uma basílica de São Pedro, ao invés de fazê-lo com o dinheiro dos pobres fiéis?
87. Do mesmo modo: O que é que o papa perdoa e concede àqueles que, pela contrição perfeita, têm direito à plena remissão e participação?
88. Do mesmo modo: Que benefício maior se poderia proporcionar à Igreja do que se o papa, assim como agora o faz uma vez, da mesma forma concedesse essas remissões e participações cem vezes ao dia a qualquer dos fiéis?
89. Já que, com as indulgências, o papa procura mais a salvação das almas do que o dinheiro, por que suspende as cartas e indulgências, outrora já concedidas, se são igualmente eficazes?
90. Reprimir esses argumentos muito perspicazes dos leigos somente pela força, sem refutá-los apresentando razões, significa expor a Igreja e o papa à zombaria dos inimigos e fazer os cristãos infelizes.
91. Se, portanto, as indulgências fossem pregadas em conformidade com o espírito e a opinião do papa, todas essas objeções poderiam ser facilmente respondidas e nem mesmo teriam surgido.
92. Portanto, fora com todos esses profetas que dizem ao povo de Cristo “Paz, paz!” sem que haja paz!
93. Que prosperem todos os profetas que dizem ao povo de Cristo “Cruz! Cruz!” sem que haja cruz!
94. Devem-se exortar os cristãos a que se esforcem por seguir a Cristo, seu cabeça, através das penas, da morte e do inferno.
95. E que confiem entrar no céu antes passando por muitas tribulações do que por meio da confiança da paz.

Halloween: Cristãos se dividem entre condenar a festa e usá-la para fins evangelísticos

Halloween: Cristãos se dividem entre condenar a festa e usá-la para fins evangelísticosMais de cem anos atrás, o famoso teólogo holandês Herman Bavinck previu que o século 20 iria “testemunhar um conflito gigantesco dos espíritos.” Sua previsão acabou se estendendo até o século 21.
O Halloween ou Dia das Bruxas é uma antiga tradição dos povos que habitavam as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C. Originalmente, tratava-se de um festival do calendário celta, chamado de Samhain, (literalmente “fim do verão”) cujo objetivo era o culto aos mortos. Acreditava-se que durante vários dias se abria uma espécie de “portal” para o outro mundo e por ele entravam os espíritos para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares. Para que identificassem as casas, eram deixados em uma mesa os seus pratos prediletos.
No ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a comemoração do Dia de Todos os Santos, em 1 de novembro fosse celebrada com uma vigília no dia anterior (31 de outubro). Essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), que acabou se tornando a palavra atual “Halloween”.  Ou seja, os mortos lembrados eram os santos cultuados pela Igreja Católica. Além disso, em alguns países o dia 2 de novembro passou a ser Dia de Finados, para lembrar dos mortos “comuns”.
Popularizada pelos Estados Unidos, a celebração do Halloween ficou marcada pelo hábito das pessoas vestirem-se com fantasias assustadoras e distribuíram doces (que substituem os alimentos oferecidos aos mortos). Em países como o México existe uma celebração muito parecida chamada de “dia de los muertos”, comemorado na mesma data. Nas últimas décadas passou a ser lembrada em vários países, inclusive o Brasil, que “importaram” dos americanos.
O historiador David J. Skal explica que o conceito moderno de Halloween é inseparável da imagem vendida pela televisão e pelos filmes de Hollywood. “No Halloween, tudo vira de cabeça para baixo. A identidade pode ser descartada. Os vivos viram mortos e vice-versa. As sepulturas são abertas e nosso mundo é invadido pelo sobrenatural”.
Durante séculos os cristãos combateram esse tipo de celebração nos países de colonização inglesa, acusando-a de ser “demoníaca”, pois fazia invocações de seres sobrenaturais, inclusive a imagem do diabo.
Ensinada nas escolas como parte do folclore, muitos pais cristãos optavam por proibir os filhos de participarem. Mas como o passar do tempo, foi sendo “absorvido” pela cultura e passou a ser, inclusive, celebrada em igrejas, com uma roupagem cristã e até evangelística.
O historiador Nicholas Rogers explica que o Halloween já é a segunda festa mais importante do ponto de vista comercial, na América do Norte. Perdendo apenas para o Natal, movimenta anualmente cerca de US$ 8 bilhões. “Independentemente de suas complicações espirituais, Halloween é um grande negócio”, resume.
Professor na Universidade de York, no Canadá, Rogers escreveu um livro sobre o assunto, explicando como o Halloween invoca o bizarro, o desconhecido e atrai as trevas. Originalmente, o Samhain marcava um solstício no final do verão, quando o dia era mais curto e, consequentemente, a noite (trevas) mais longa. Entre os celtas ocorriam os sabás, reuniões de bruxas que faziam sacrifícios humanos e de animais, sem dúvida, apontando para o inverno como uma época de morte.
Harold L. Myra, escreveu um longo artigo na revista evangélica Christianity Today alertando que essas raízes pagãs não podem ser ignoradas pelos cristãos: “Para os antigos celtas, Samhain, o senhor da morte, enviava espíritos malignos para o mundo dos humanos. Com isso, gerava uma perigosa tentativa de se contatar o sobrenatural, o mundo espiritual e apaziguá-lo. O Halloween tornou uma época de fascínio cultural com o mal e o demoníaco”.
Nos últimos 20 anos, algumas igrejas decidiram organizar festivais alternativos, aproveitando a oportunidade do feriado para falar sobre o mundo espiritual da perspectiva bíblica. O pastor Anderson M. Rearick, sempre defendeu que os cristãos não devem fugir do assunto. “Não podemos simplesmente entregar esse dia nas mãos do Diabo, o Grande Impostor, o Chefe dos mentirosos. Nenhum dia pertence a ele. Todos pertencem ao Senhor”.
Ele lembra as palavras de Martinho Lutero, o grande reformador: “A melhor maneira de expulsar o diabo, é lembrar os textos das Escrituras, é zombar e desprezá-lo por que ele não suporta ser lembrado de sua derrota”.
Desde 1996, Keenan Roberts, pastor da Igreja New Destiny Christian Center, no Estado do Colorado, popularizou a ideia de “Hell Houses” [Casas do Inferno]. A ideia é que as pessoas entrem no templo ou em uma casa alugada especialmente preparada durante a época de Halloween.
“Se é para ter medo, então que seja produtivo”, explica o pastor Roberts, que criou essa espécie de “casa mal-assombrada” onde ficam atores cristãos e tem como objetivo mostrar às pessoas que Jesus venceu o mal na cruz.
Tradicionalmente, as pessoas estão mais preparadas para sentir medo nesse período. Com isso, é possível mostrar a realidade do céu e do inferno através de uma peça de teatro interativa. As pessoas entram no ambiente esperando encontrar vampiros, bruxas, fantasmas e lobisomens. Mas o que veem são cenas de um suicídio, depois passa para um ambiente onde vê pessoas de prostituindo, na outra sala testemunha um acidente de trânsito com um motorista bêbado, um outro espaço mostra um adolescente que toma uma overdose de drogas e morre, em outra sala uma jovem é submetida a um aborto, por fim há uma cena de casamento gay.
O tempo todo quem apresenta as situações é um ator que serve de “demônio-guia”. Ao final de cada ato ele diz ao público: “É apenas mais um dia de trabalho rotineiro para mim!”. A casa infernal original tinha sete ambientes e cada um deles representa um “pecado” de forma diferente.
Os tópicos variam ligeiramente de ano para ano, mas sempre se concentram em mostrar algo que envolva sangue, morte e as consequências de quem morrer longe de Deus. O método é eficaz, segundo Roberts. Quando os visitantes chegam à cena final, a sala que representa o “céu”, é feito um apelo para que a pessoa mude de vida e conheça a Deus através de Jesus. Segundo o pastor, “um em cada quatro visitantes optam pela fé cristã ou renovam seu compromisso com ela”. Com informações PS Mag e Albert Mohler.

Jesus e Maria aparecem em foto do Google Earth na Suíça

Foto: Reprodução/Google EarthUma imagem curiosa está circulando na internet. Ela pode ser vista no Google Earth, o site de imagens de satélite do Google, e mostra Jesus acompanhado de Maria, sua mãe. A imagem escura de Jesus pode ser vista à esquerda, enquanto o contorno de Maria, de cor branca e rosa, à direita. A imagem foi captada na estrada A5, perto de Walensee, na Suíça.
Entretanto, o registro pode se tratar do efeito de pareidolia, um fenômeno natural de nosso cérebro onde, com estímulos visuais ou sonoros, somos capazes de “enxergar” ou simplesmente criar um sentido distinto para algo abstrato, que se encaixe nos padrões criados pelo cérebro. Isso ocorre, por exemplo, quando conseguimos enxergar imagens nas nuvens.
O Google ainda não liberou uma nota sobre a polêmica, mas para que quiser ver a imagem original, dentro do Google Maps, é só acessar o link ou inserir as coordenadas 47.110579 9.227568.

Templo da Assembleia de Deus é atacado pela segunda vez em um mês

Templo da Assembleia de Deus é atacado pela segunda vez em um mêsPela segunda vez este mês, a igreja Assembleia de Deus em Kalva, no estado indiano de Maharashtra, foi atacada por radicais hindus. Em meio ao culto do dia 6, o pastor Arul Raj foi atacado no púlpito, espancado e levado até o posto policial com falsas acusações.
A polícia disse que não havia crime em pregar o cristianismo e colocou dois policiais para vigiar o local de culto. Mesmo assim, eles não conseguiram evitar um novo ataque no último domingo (27).
Um grupo de 35 extremistas hindus, pertencentes ao grupo “Bajrang Dal” armados de paus e barras de ferro, invadiram o templo novamente. Eles saquearam o local espancaram os fiéis presentes, incluindo o pastor Ajay Kasbe, que pregava para cerca de 100 pessoas. Quatro líderes cristãos presentes ficaram gravemente feridos (os irmãos Rajesh, Ajay e Gulab Vishwakarma, além de Shambhunath Yadav).
A acusação deles é que a igreja realizava “conversões forçadas”. Até o momento, a polícia só identificou e prendeu cinco dos militantes. O ocorrido iniciou uma onda de terror nas igrejas da região, unindo católicos e evangélicos. Joseph Dias, representante dos católicos, admitiu: “Está claro que se trata de uma tentativa de polarizar a sociedade por causa da religião, em vista das eleições gerais na Índia. Pedimos ao Ministro do Interior de Maharashtra, Raosaheb Ramrao Patil, que garanta a proteção a todas as igrejas e puna severamente os que buscam desencadear um conflito religioso”.
O crescente movimento de perseguição em algumas regiões da Índia é promovido pelo Bharatiya Janata, partido ultranacionalista hindu que apoia grupos extremistas acusados de violência e perseguição contra as minorias étnicas, sociais e religiosas em todo território indiano. No início de 2014 ocorrerão eleições no país e uma das plataformas políticas é a mudança na lei religiosa.
Segundo país mais populoso do mundo, com mais de um bilhão de habitantes, a Índia é majoritariamente hinduísta. Uma lei anticonversão está sendo debatida e pode marcar definitivamente a história da nação milenar. Caso seja aprovada, deve alterar a Constituição indiana, que assegura a liberdade religiosa. Com informações de Fides e Persecuted Church.

Foto de girafa no Facebook é armadilha do diabo, diz ex-satanista

Foto de girafa no Facebook é armadilha do diabo, diz ex-satanistaEssa semana uma nova brincadeira fez com que muitos usuários do Facebook trocassem suas fotos de perfil por imagens de girafas. A troca da fotografia seria a punição para quem errasse uma pequena charada.
A charada é a seguinte: “Três da manhã, a campainha toca e você acorda. Visitantes inesperados: são seus pais, que chegaram para o café da manhã. Você tem geleia de morango, mel, vinho, pão e queijo. Qual a primeira coisa que abre?”.
Mas para o pastor Carlo Ribas, ex-satanista, a brincadeira – que se tornou viral nas redes sociais – é na verdade uma armadilha de satanás para enganar os incautos.
A resposta da charada é “abro os olhos”, o que para Ribas é o sinal de ser uma brincadeira espiritual. “Os olhos são a porta do corpo/alma/espírito”, escreveu ele em um artigo divulgado na internet.
O pastor notou que toda a charada tem no fundo elementos espirituais para confundir quem não conhece as escrituras. “Três horas da manhã é um horário estratégico no inferno, dentro da magia negra no satanismo, para abertura de portais espirituais onde geram legalidades sobre vidas”, afirma.
A troca da fotografia também seria uma forma de permitir que espíritos malignos tomem posse da vida dos usuários do Facebook. Ao trocar a imagem o usuário permite “a troca de identidade espiritual” que é a “abertura para opressão e posteriormente para a possessão demoníaca”.
A escolha do animal nessa brincadeira também não seria mero acaso. “A girafa é um animal símbolo da sensualidade e um dos animais que mais possuem relações entre membros do mesmo sexo, numa escala de um caso para cada dez animais”, explica Ribas.
O ex-satanista tentou alertar seus amigos da rede social escrevendo o texto diretamente de seu iPhone, mas, segundo ele, o aparelho travou impedindo que ele expandisse a revelação. Para postar o texto ele precisou usar o bloco de notas e depois importá-lo para o blog.

Quem postou foto da girafa tem que pedir perdão

O pastor Carlo Ribas escreveu dizendo que os usuários cristãos que colocaram a fotografia da girafa em seus perfis precisam pedir perdão e renunciar a legalidade espiritual gerada pela brincadeira.
Leia na íntegra aqui:
Depois que eu coloquei o primeiro post sobre isso, várias pessoas me chamaram inbox para saber melhor sobre isso e pedir ajuda.
É uma armadilha que o satanismo usa para gerar PACTOS INVOLUNTÁRIOS e abrir legalidade espiritual na vida das pessoas.
Consiste em participar de uma charada (que um demônio vai trazer a resposta), gerando o pacto involuntário. A charada é a seguinte: “Três da manhã, a campainha toca e você acorda. Visitantes inesperados: são seus pais, que chegaram para o café da manhã. Você tem geleia de morango, mel, vinho, pão e queijo. Qual a primeira coisa que abre?”. A resposta é “abro o olho”. (Os olhos são a porta do corpo/alma/espírito)… parece inocente, mas vejam o que a BÍBLIA DIZ, em Apocalipse 3:20: “Eis que estou à porta e bato (JESUS). Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo”.
Abrir a porta é um simbolo espiritual para abrir a vida.
Não acham estranho uma “visita inesperada” vir tomar café da manhã as 3:00h?? Na “brincadeira” a pessoa receberia uma visita inesperada as 3:00h. Três horas da manhã é um horário estratégico no inferno, dentro da magia negra no satanismo, para abertura de portais espirituais onde geram legalidades sobre vidas.
A pessoa que erra a resposta, troca sua foto por 3 dias e coloca no lugar (perfil da rede social) uma imagem de uma girafa. Com isso gera a primeira legalidade de troca de identidade espiritual e abertura para opressão e – posteriormente – possessão demoníaca. A girafa é um animal símbolo da sensualidade e um dos animais que mais possuem relações entre membros do mesmo sexo, numa escala de um caso para cada dez animais.
Muitas correntes, brincadeiras aparentemente ingênuas e inofensivas aparecem nas redes sociais e os crentes, incautos, participam. CUIDADO!! Satanás é astuto e esperto. Ele sabe como enganar os eleitos e gerar maldições.
Quando eu tentei escrever este post direto no meu iPhone, ele começou a travar. Quem tem iPhone sabe que ELES NÃO TRAVAM!!! Resolvi então orar, repreender e escrever no meu bloco de notas e colar no post (é o que estou fazendo).
Enquanto eu estava escrevendo, pessoas me chamavam no facebook dizendo que, ao tentarem RETIRAR A IMAGEM DA GIRAFA dos seus perfis, o facebook trava.
O QUE FAZER?
Orem, peçam perdão ao Senhor e digam audivelmente que não aceitam qualquer legalidade espiritual gerada por esta brincadeira. Cancelem tudo no Nome de Jesus.
Dia 31 de outubro (amanhã) é o dia em que comemoram o Halloween, o dia das bruxas. Para muitos é só uma festa, mas no satanismo é o ritual mais poderoso, entre as oito festas mágicas do ano, chamado de SHAMAINH, o ritual da noite mais longa do ano. Neste ritual espíritos de morte são autorizados pelo inferno para transitarem pelas ruas. As pessoas que fazem a brincadeira da girafa (e tantas outras) geram legalidades para que esses demônios entrem em suas casas.
REPREENDAM EM NOME DE JESUS.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

A HISTÓRIA DO HALLOWEEN E SEUS DETALHES

Dia das Bruxas (Halloween é o nome original na língua inglesa) é um evento tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxônicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos, sendo que não existe ao certo referências precisas de onde surgiram essas celebrações.
A palavra Halloween tem origem na Igreja católica.
Vem de uma tradição contraída do dia 1 de novembro, o Dia de Todos os Santos, é um dia católico de observância em honra de santos.
Mas, no século V DC, na Irlanda Céltica, o verão oficialmente se concluía em 31 de outubro.
O feriado era Samhain, o Ano novo Céltico.
Alguns bruxos acreditam que a origem do nome vem da palavra hallowinas - nome dado às guardiãs femininas do saber oculto das terras do norte (Escandinávia).
Mas os estudiosos dizem que a palavra Halloween surgiu da seguinte forma:
O nome é, na realidade, uma versão encurtada de "All Hallows' Even"(Noite de Todos os Santos), a véspera do Dia de Todos os Santos (All Hallows' Day).
"Hallow" é uma palavra do inglês antigo para "pessoa santa" e o dia de todas as "pessoas santas" é apenas um outro nome para Dia de Todos os Santos, o dia em que os católicos homenageiam todos os santos. Com o tempo, as pessoas passaram a se referir à Noite de Todos os Santos, "All Hallows' Even", como "Hallowe'en", e mais tarde simplesmente "Halloween".

O Halloween marca o fim oficial do verão e o início do ano-novo.
Celebra também o final da terceira e última colheita do ano, o início do armazenamento de provisões para o inverno, o início do período de retorno dos rebanhos do pasto e a renovação de suas leis.

Era uma festa com vários nomes: Samhain (fim de verão), Samhein, La Samon, ou ainda, Festa do Sol.
Mas o que ficou mesmo foi o escocês Hallowe'en.
Uma das lendas de origem celta fala que os espíritos de todos que morreram ao longo daquele ano voltariam à procura de corpos vivos para possuir e usar pelo próximo ano. Os celtas acreditavam ser a única chance de vida após a morte.
Os celtas acreditaram em todas as leis de espaço e tempo, o que permitia que o mundo dos espíritos se misturassem com o dos vivos.

Como os vivos não queriam ser possuídos, na noite do dia 31 de outubro, apagavam as tochas e fogueiras de suas casa, para que elas se tornassem frias e desagradáveis, colocavam fantasias e ruidosamente desfilavam em torno do bairro, sendo tão destrutivos quanto possível, a fim de assustar os que procuravam corpos para possuir, (Panati).
Os Romanos adotaram as práticas célticas, mas no primeiro século depois de Cristo, eles as abandonaram.
O Halloween foi levado para os Estados Unidos em 1840, por imigrantes irlandeses que fugiam da fome pela qual seu país passava e passou ser conhecido como o "Dia das Bruxas".
Travessuras ou Gostosuras? (Trick-or-treat)

A brincadeira de "doces ou travessuras" é originária de um costume europeu do século IX, chamado de "souling" (almejar).
No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas (ou Finados aqui no Brasil), os cristãos iam de vila em vila pedindo "soul cakes" (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha.
Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador.
Acreditava-se que as almas permaneciam no limbo por um certo tempo após sua morte e que as orações ajudavam-na a ir para o céu.

Abóboras e velas: Jack O'Lantern (Jack da Lanterna)

A vela na abóbora provavelmente tem sua origem no folclore irlandês.
Um homem chamado Jack, um alcoólatra grosseiro, em um dia 31 de outubro bebeu excessivamente e o diabo veio levar sua alma. Desesperado, Jack implora por mais um copo de bebida e o diabo concede.
Jack estava sem dinheiro para o último trago e pede ao Diabo que se transformasse em uma moeda. O Diabo concorda.
Mal vê a moeda sobre a mesa, Jack guarda-a na carteira, que tem um fecho em forma de cruz.
Desesperado, o Diabo implora para sair e Jack propõe um trato: libertá-lo em troca de ficar na Terra por mais um ano inteiro.
Sem opção, o Diabo concorda.
Feliz com a oportunidade, Jack resolve mudar seu modo de agir e começa a tratar bem a esposa e os filhos, vai à igreja e faz até caridade.
Mas a mudança não dura muito tempo, não.
No próximo ano, na noite de 31 de outubro, Jack está indo para casa quando o Diabo aparece. Jack, esperto como sempre, convence o diabo a pegar uma maçã de uma árvore.
O diabo aceita e quando sobe no primeiro galho, Jack pega um canivete em seu bolso e desenha uma cruz no tronco.
O diabo promete partir por mais dez anos.
Sem aceitar a proposta, Jack ordena que o diabo nunca mais o aborreça.
O diabo aceita e Jack o liberta da árvore.
Para seu azar, um ano mais tarde, Jack morre, e em seguida tenta entrar no céu, mas sua entrada é negada.
Sem alternativa, vai para o inferno.

Chegando lá, encontra o diabo, o qual ainda desconfiado e se sentindo humilhado, também não permite sua entrada, e como castigo, o diabo joga uma brasa para que Jack possa iluminar seu caminho pelo limbo. Jack põe a brasa dentro de um nabo para que dure mais tempo e sai perambulando.
Devido à esse acontecimento, sua alma penada passa a ser conhecida como Jack O'Lantern (Jack da Lanterna).
Os nabos na Irlanda eram usados como "lanternas do Jack" originalmente, mas quando os imigrantes vieram para a América, eles descobriram que as abóboras eram muito mais abundantes que nabos.
Então começaram à utilizar abóboras iluminadas com uma brasa por dentro ao invés de nabos.

Por isso a tradição de se fazer caricaturas em abóboras e iluminá-las por dentro com uma vela na época de Halloween.

Segundo a lenda, quem presta atenção e consegue ver uma pequena luz fraca na noite de 31 de outubro, é porque conseguiu ver a passagem de Jack procurando uma saída do limbo em que está preso.

BRUXAS

As bruxas tem um papel importantíssimo no Halloween.
Não é à toa que o dia 31 de Outubro é conhecida como "Dia das Bruxas" em português.
Segundo várias lendas, as bruxas se reuniam duas vezes por ano durante a mudança das estações: no dia 30 de abril e no dia 31 de outubro.
Segundo conta-se a lenda, chegando em vassouras voadoras, as bruxas participavam de uma festa chefiada pelo próprio Diabo.
Elas jogavam maldições e feitiços em qualquer pessoa, transformavam-se em várias coisas e causavam todo tipo de transtorno.
Diz-se também que para encontrar uma bruxa era preciso colocar suas roupas do avesso e andar de costas durante a noite de Halloween.
Então, à meia-noite, você veria uma bruxa!
A crença em bruxas chegou aos Estados Unidos com os primeiros colonizadores.
Lá, elas se espalharam e misturaram-se com as histórias de bruxas contadas pelos índios norte-americanos e, mais tarde, com as crenças na magia negra trazidas pelos escravos africanos.
O gato preto é constantemente associado às bruxas devido à lendas, as quais citam que elas podem transformar-se em gatos e também devido à crenças, as quais pregam que os gatos são na realidade espíritos de pessoas mortas.
Muitas superstições estão associadas aos gatos pretos.
Uma das mais conhecidas é a de que se um gato preto cruzar seu caminho, você deve voltar pelo caminho de onde veio, pois se não o fizer, é azar na certa.

O Halloween pelo Mundo
A festa de Halloween, na verdade, equivale ao "Dia de Todos os Santos" e o "Dia de Finados", e foi absorvido pela Igreja Católica para apagar os vínculos pagãos, dando origem a festa. Os países de origem hispânica comemoram o Dia dos Mortos e não o Halloween.
No Oriente, a tradição é ligada às crenças populares de cada país.

Brasil

O Halloween no Brasil é chamado de Dia das Bruxas e sua celebração acontece no dia 31 de outubro.
Acredita-se que na passagem dessa noite as almas saem de seus túmulos e partem pelas ruas amedrontando todos aqueles que estão por perto.
O dia das bruxas se infiltrou em nossas comemorações de forma tímida, pois o Brasil, país que celebra as coisas boas da vida, não se vê em meio a festividade aos mortos.
Apesar de sua pequena influência, pode ser vista em escolas, clubes, casas noturnas e shoppings de várias cidades, mas como dito anteriormente, não adquire força expressiva, já que nem o folclore local é efetivamente comemorado.
Muitos nacionalistas dão créditos à influência do imperialismo cultural americano a vinda do halloween, assim, alguns brasileiros, localizados em São Luiz do Paraitinga (estado de São Paulo), decretou o dia 31 de outubro como o dia oficial do Saci Pererê em protesto à inclusão do Halloween.
A maioria das manifestações critica a posição dos brasileiros em importar a cultura americana, já que o país tem grande diversidade folclórica que não é aproveitada e comemorada.
Apesar de todo o esforço da imprensa em destacar essa festividade norte-americana, os brasileiros não costumam festejar a data.
É uma festa celebrada por poucos.
No Rio de Janeiro as manifestações são caracterizadas por placas espalhadas pela cidade opondo tal prática e ainda em pedido ao retorno das considerações brasileiras, isto é, dar valor e import
ância às crenças nascidas no país, deixando manifestar o patriotismo dentro de nossa cultura.
Mesmo dessa forma, as festas de Halloween no Brasil tem se tornado comuns, principalmente entre o público jovem, os quais se reunem em clubes privados ou mesmo em salões particulares, promovendos festas a fantasia com motivos de "horror", objetivando comemorar a data considerada como "O Dia das Bruxas".
Devido à realização dessas festas, o comércio de fantasias e motivos voltados à monstros e bruxas tem tido um aumento expressivo no mês de Outubro de cada ano.


Estados Unidos

Desde 1800, quando os imigrantes irlandeses e escoceses levaram suas festividades de Halloween para a América do Norte, a festa tem se desenvolvido consideravelmente.
A conexão da festa com o Dia de Todos os Santos e o Dia de Finados ficou praticamente deixada de lado, e muitas novas tradições seculares se desenvolveram.
Para as crianças, fantasiar-se e sair pelas casas fazendo a brincadeira do "travessuras ou gostosuras" ainda é o maior evento.

A maioria das famílias nos Estados Unidos e no Canadá participam, mesmo porque não querem correr o risco de pequenos vandalismos.
Muitos adultos se fantasiam e participam com seus filhos de festas a fantasia e concursos.
Outras atividades de Halloween ocorrem durante o mês todo de outubro.
Estas tradições preservam o espírito de alegria do Samhain diante dos pensamentos assustadores de morte e do sobrenatural.
Os americanos acrescentaram filmes de terror, casas assombradas comunitárias, histórias de fantasmas e quadros espiritualistas.
Cartões e decorações também fazem parte do Halloween.

A festa só perde para o Natal no faturamento total do comércio.
Um outro costume comum do Halloween é recolher dinheiro para a UNICEF (site em inglês), em vez de doces.
Esse costume começou em 1950 no estado da Filadélfia, quando uma turma de uma escola dominical teve a idéia de recolher dinheiro para as crianças necessitadas ao brincar de "travessuras ou gostosuras".
Eles enviaram o dinheiro que conseguiram, cerca de US$ 17,00, para a UNICEF, que foi inspirada pela idéia e começou um programa de "travessuras ou gostosuras", em 1955.

Espanha

Na Espanha, a tradição de se comemorar o Halloween ainda é recente, tendo chegado praticamente por volta do ano 2000.
O marketing feito sobre a sociedade americana cuidou de universalizar esta festa para proporcionar benefícios econômicos em vários setores, como parques temáticos, livros, cinema e até a gastronomia”.
Na Espanha, as s escolas enfeitam o pátio com abóboras e as crianças se fantasiam de “muertos vivientes”, que são os mortos-vivos, além de bruxas e fantasmas.
Assim como nos Estados Unidos, estando as crianças prontas para a festa, saem às ruas para pedir doces e comidas típicas desta época, porém não são todas as pessoas que gostam.
Muitos vizinhos nem sequer abrem as portas, pois se sentem incomodados e acham que tudo não passa de uma grande besteira.
A Espanha é um dos países que ainda mantém a antiga tradição do culto e respeito aos mortos, assim como no Brasil.
Os espanhóis costumam ir ao cemitério para limpar os túmulos e levar flores, como é costume no Brasil no feriado de Finados, em 2 de novembro.
Além disso, o 31 de outubro coincide com a colheita de castanhas e abóboras, na comemoração chamada de “Castanhada”. 

Irlanda

A Irlanda é considerada como o país de origem do Halloween. Nas áreas rurais, as pessoas acedem fogueiras, como os celtas faziam nas origens da festa e as crianças passeiam pelas ruas dizendo o famoso “tricks or treats” (doces ou travessuras).
México

No dia 1º comemora-se o Dia dos Anjinhos, ou Dia dos Santos Inocentes, quando as crianças mortas antes do batismo são relembradas.
O Dia dos Mortos (El Dia de los Muertos), 2 de novembro, é bastante comemorado no México.
As pessoas oferecem aos mortos aquilo que eles mais gostavam: pratos, bebidas, flores.
Na véspera de Finados, família e amigos enfeitam os túmulos dos cemitérios e as pessoas comem, bebem e conversam, esperando a chegada dos mortos na madrugada.
Uma tradição bem popular são as caveiras doces, feitas com chocolate, marzipã e açúcar.

Tailândia

Nesse país, existe o festival Phi Ta Khon, comemorado com música e desfiles de máscaras acompanhados pela imagem de Buda.
Segundo a lenda, fantasmas e espíritos andam entre os homens, sendo que a festividade acontece no primeiro dia das festas budistas.

Símbolos típicos do Halloween com seus misticismos e significados:
A abóbora:
Simboliza a fertilidade e a sabedoria.
A vela: .
Indica os caminhos para os espíritos do outro plano astral.
O caldeirão:
Fazia parte da .cultura, .como mandaria .a tradição..Dentro dele, os convidados.devem atirar.moedas.e.mensagens.escritas.com pedidos dirigidos aos espíritos.
A vassoura:
Simboliza o poder feminino que pode efetuar a limpeza da energia negativa.
Equivocadamente, pensa-se que ela servia para transporte das bruxas.
As moedas:
Devem ser recolhidas no final da festa para serem doadas aos necessitados.
Os bilhetes:
Com os pedidos, devem ser incinerados para que aquilo que é solicitado através da mensagem escrita seja mais rapidamente atendido, pois se elevará através da fumaça.
A aranha:
Simboliza o destino e os fios que tecem suas teias, o meio, o caminho e suporte para seguir em frente.
Os morcegos:
Simbolizam a clarividência, pois els conseguem ver além das formas e das aparências, sem a necessidade da visão ocular.
Conseguem captar as formas e as distâncias através de sua própria energia, emitindo sinais ultrasônicos.
O sapo:

Está ligado à simbologia do poder da sabedoria feminina, símbolo lunar e atributo dos mortos e de magia feminina.
O Gato preto:

Símbolo da capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade. Plena harmonia com o Unirverso.

O significado das cores do Halloween

Laranja - Cor da vitalidade e da energia que gera força. Os druidas acreditavam que nesta noite, passagem para o Ano Novo, espíritos de outros planos se aproximavam dos vivos para vampirizar a energia. vital encontrada na cor laranja.
Preto - Cor sacerdotal das vestes de muitos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes em geral.
- Cor do mestre.

Roxo - Cor da magia ritualística.

 A celebração do Dia das Bruxas em 31 de Outubro, muito possivelmente em virtude da sua origem como festa dos druidas, vem sendo ultimamente promovida por diversos grupos neo-pagãos, e em alguns casos assume o caráter de celebração ocultista.
Hollywood fornece vários filmes sobre o tema, entre os quais se destaca a série "Halloween", no qual um assassino misterioso e praticamnte "imortal" retorna para se vingar em sua cidade natal.
Muitos desses filmes, apesar das restrições de exibição, acabam sendo vistos por crianças, gerando nelas o medo e má impressão das festas de Halloween.
Porém, não existe ligação dessa festa com o mal.
Na celebração atual do Halloween, podemos notar a presença de muitos elementos ligados ao folclore em torno da bruxaria.
As fantasias, enfeites e outros itens comercializados por ocasião dessa festa estão repletos de bruxas, gatos pretos, vampiros, fantasmas e monstros, no entanto isso não reflete a realidade pagã.

Cartaz de um dos Filmes da série "Halloween"

Ciencia

Ciencia