expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Seguidores

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Papa pede perdão a denominação evangélica por séculos de perseguição

Francisco visitou uma igreja valdense durante visita a Turim
Papa pede perdão a denominação evangélica por séculos de perseguiçãoPapa pede perdão a Igreja Valdense por perseguição
A visita do Papa Francisco a Turim recebeu muito destaque da mídia por suas declarações contra a indústria bélica. Afirmou que as pessoas que fabricam ou fazem investimentos em empresas de armas não podem se dizer cristãos. Também recebeu cobertura a visita que fez ao famoso “Santo Sudário”.
Contudo, nesses dois dias em que esteve na cidade que fica perto da fronteira com a França, um fato passou quase despercebido, mas que tem grande importância para os evangélicos.
Na segunda (22), o Pontífice esteve num templo Valdense. É a primeira vez que um papa visita oficialmente um templo dessa denominação evangélica. Ele foi recebido por três pastores, e fez um pedido de perdão.
“Por parte da Igreja Católica, lhes peço perdão pelas atitudes e o comportamento não cristão e até mesmo não humano que, ao longo da história, tivemos contra vocês. Em nome do Senhor Jesus Cristo, perdoem-nos!”, clamou.
Reforçou ainda: “Podemos somente nos entristecer sobre a oposição e as violências cometidas. Eu peço ao Senhor que nos dê a graça de nos reconhecer como pecadores e que saibamos perdoar uns aos outros”, reiterou. Finalizou dizendo acreditar que existe “uma profunda ligação entre as duas religiões, apesar das diferenças”.
Durante a visita de Francisco, ele tirou fotos ao lado dos pastores e beijou um exemplar da Bíblia em Italiano. O pastor da comunidade valdense em Turim, Eugenio Bernardini, questionou diante da imprensa: “Qual era o pecado dos valdenses Eles eram um movimento de evangelização popular, realizado por leigos?”.  Depois, agradeceu a iniciativa, afirmando que o pontífice “aceitou ultrapassar uma barreira histórica de oito séculos” entre os dois grupos cristãos.
Ressaltou ainda que a aproximação entre católicos e valdenses modernos, era fruto da exortação papal Evangelii Gaudium (Alegria do Evangelho em português), na qual Francisco exortou os cristãos a viver juntos em “diversidade reconciliada”.

Os Valdenses

Essa pequena denominação evangélica foi perseguida pela Igreja Católica Romana durante séculos na França e na Itália. A origem da Igreja Valdense, por volta de 1170, tem relação com os movimentos de renovação espiritual dentro da Igreja Católica Romana, no que mais tarde tornou-se parte da Reforma Protestante.
O comerciante francês Pedro Valdo (que vivia na Itália) teve acesso a uma Bíblia em linguagem popular e através dela iniciou um movimento que negava o papado de Roma. Até então a Bíblia era de difícil acesso e as cópias disponíveis estavam em Latim.
Inicialmente o grupo que passou a defender as ideias de Valdo eram denominados os Pobres de Espírito. Contudo, após a morte do seu líder passaram a ser chamados de valdenses, semelhantemente ao que ocorria com Lutero e a igreja dos luteranos séculos mais tarde.
Trabalhando para distribuir exemplares da Bíblia traduzidas para a língua do povo, Valdo e seus seguidores iniciaram pequenos grupos, principalmente na região da fronteira entre França e Itália.
Como era comum na Idade Média, além de perseguidos pela Igreja Católica, foram declarados hereges e finalmente excomungados em 1184. Vários papas tentaram exterminar os valdenses. Mesmo assim o grupo cresceu e se espalhou. Comandados pelo duque de Sabóia, em 1655, forças leais ao Vaticano conduziram uma campanha que envolvia tortura, estupro e assassinato contra eles.
A Igreja Valdense hoje conta cerca de 50 mil fiéis no mundo inteiro, com presença no norte da Itália, também na Alemanha, na França, nos Estados Unidos e até no Uruguai. Com informações deChristian Today e ABC

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário...

Ciencia

Ciencia