Pastor pode ser expulso de igreja por celebrar casamento do filho gay

O pastor Frank Schaefer foi julgado por um tribunal interno da Igreja Metodista Unida dos EUA
Um pastor da Igreja Metodista Unida dos Estados Unidos foi condenado por ter celebrado o casamento do filho com um homem e poderá ser expulso da instituição nesta terça-feira (19).

Um júri condenou o reverendo Frank Schaefer na segunda-feira (18) por ter quebrado seus votos e ido contra as leis da igreja ao ministrar a celebração de união homossexual de seu filho, em Massachussetts, em 2007.

A sentença ainda não foi proferida. Schaefer pode ser apenas suspenso como pode ser expulso da igreja.

Durante o julgamento interno da igreja, o pastor se defendeu dizendo que tentou seguir o comando de Deus de ministrar "para todas as pessoas", mesmo se isso significasse desobedecer o Livro Disciplinar Metodista.

"Eu amo a Igreja Metodista Unida. Sou pastor há quase 20 anos e há muitas coisas boas na igreja, exceto por essa regra", afirmou.

Segundo Schaefer, o julgamento poderia ter sido evitado caso ele concordasse em nunca mais celebrar cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O pastor afirmou que não poderia prometer nada à igreja já que três de seus quatro filhos são gays.

Schaefer, que pode ainda recorrer à sentença, foi julgado pela igreja após a reclamação de Jon Boger, um membro de sua congregação na Pensilvânia.


Boger disse que se sentiu traído quando soube que Schaefer, que batizou seus filhos e enterrou seus avós, ministrou um casamento gay.

Comentários

Mensagens populares