Instituto dos EUA divulga documentos sigilosos sobre esqueletos humanos gigantes


Uma decisão da Corte Suprema dos EUA pediu que o Instituto Smithsoniano tornasse 
públicos documentos do final do século XIX e início do XX relacionados com a 
descoberta de esqueletos de humanos gigantes. 

Acredita-se que o Instituto tenha, inicialmente, ocultado e, depois, destruído os 
fósseis remanescentes desses seres, com a suposta finalidade de preservar a ideia 
convencional da evolução humana.

Os arquivos abertos mencionam a existência de antigos corpos humanos com mais de 
dois metros e meio de altura. Um dos textos, escrito em 1894 por investigadores da 
Oficina de Etnologia do Instituto Smithsoniano, descreve: “Debaixo de uma camada de 
conchas (...) descansando sobre a superfície natural da Terra, havia um grande 
esqueleto em posição horizontal em toda sua extensão (...). O comprimento da base do 
crânio aos ossos dos dedos dos pés era de dois metros e meio. É provável, portanto, 
que esse indivíduo, quando vivo, chegasse a quase 2,70 metros de altura”.

A respeito disso, as autoridades do Instituto negaram qualquer tipo de envolvimento 
com esses esqueletos, o que acabou gerando várias teorias conspiratórias, muitas 
das quais apontam para uma ocultação inescrupulosa da existência de seres humanos 
gigantes no passado de nossa civilização.


Comentários

Mensagens populares